AEE/EJA NA CONSTRUÇÃO DE SABERES SIGNIFICATIVOS

Autores

  • Nilza Maria de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM/Reitoria

Palavras-chave:

Experiência no AEE. Alfabetização na EJA. Construção do conhecimento

Resumo

Neste trabalho, proponho-me relatar a experiência vivenciada durante as atividades de intervenções realizadas com uma das minhas alunas matriculada na Educação de Jovens e Adultos (EJA) encaminhada aos Atendimentos Educacionais Especializados (AEE) de uma instituição pública de ensino na rede municipal de Uberaba/MG. Este estudo se caracteriza como descritivo-narrativo, tipo relato de experiência. As atividades foram desenvolvidas com aluna matriculada na EJA 1º segmento/1º período com idade acima dos 30 anos. Percebeu-se que o espaço educacional AEE se configurou em um instrumento facilitador/mediador na construção do conhecimento, apresentando-se como um ambiente de interação, fortalecendo ações e atividades, permitindo a articulação dos conteúdos curriculares com os saberes prévios trazidos do cotidiano do aluno público da EJA. As intervenções foram direcionadas com objetivo de alfabetizar academicamente uma aluna adulta com fala comprometida em função da fissura labial e palatina (CID 10: Q37.5 – Fenda dos palatos duro e mole com fenda labial unilateral). Tais intervenções contribuíram com o fortalecimento da autoestima, autoconfiança e quebra de paradigma que aluna entendia como causa/consequência do seu não aprendizado acadêmico. Posso antecipar o resultado parcial que a aluna passou, de acordo com a teoria da Psicogênese da língua escrita, do nível Pré-silábico para Alfabético resultando em um empoderamento e, consequentemente, a permanência da aluna na EJA e no AEE, fato que, relatado pela aluna, ainda não havia acontecido em todas suas tentativas de inserção em meios acadêmicos.

Biografia do Autor

Nilza Maria de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM/Reitoria

Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia/UFU - 2016. Professora regente da EJA e AEE na Escola Municipal Terezinha Hueb de Meneses/Revisora de textos em Braille

-nilzamaria@iftm.edu.br

Referências

Altmann EBC. Fissuras labiopalatinas. Carapicuíba: Pró-fono; 1997. 555p.

Alunos da Educação de Jovens e Adultos da rede municipal já preparam Feira de Ciências e Inovação. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/conteudo,39813. Acessado em 18 de setembro de 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

BRASIL, Ministério da Educação – Secretaria de Educação Especial (SEESP). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.

MEC, Ministério da Educação e Cultura, Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei Nº. 9.394 1996.

Kummer AW. Velopharyngeal dysfunction and resonance disorders. In: Kummer AW, ed. Cleft palate & craniofacial anomalies: effects on speech and resonance. San Diego:Singular;2001 p.145-76.

Uberaba, Secretaria Municipal de Educação e Cultura Matrizes Curriculares Municipais: Educação de Jovens e Adultos. 1. ed. / Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Uberaba: PMU, 2015. 203 p.

Downloads

Publicado

26/04/2021

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA