Um mapeamento sobre o ensino de matemática nos anos iniciais do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46921/rict2022-1137

Palavras-chave:

Dificuldade de aprendizagem, Discalculia, Ensino Fundamental, Matemática

Resumo

Este artigo discute possíveis estratégias que podem contribuir no ensino de Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. O objetivo geral é identificar, a partir de um mapeamento, o que tem sido produzido sobre ensino das operações de adição e subtração para crianças com dificuldades ou transtornos de aprendizagem. O mapeamento foi realizado no Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), no Scientific Electronic Library Online (SCIELO), na Biblioteca Virtual em Saúde (BIREME - LILACS) e na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). Como resultados emergiram 21 (vinte e um) trabalhos relacionados à temática, sendo 10 (dez) artigos, 8 (oito) dissertações e 3 (três) teses. Posteriormente, iniciou-se uma análise das pesquisas selecionadas que revelaram a necessidade da formação continuada, já que professores possuem um conhecimento equivocado sobre os transtornos e dificuldades na Matemática, resultado de uma falha na formação inicial. Identificar as crianças com dificuldades e transtornos na Matemática é um fator essencial e repensar o ensino e a aprendizagem destas crianças podem favorecer esse processo. Evidenciou-se o trabalho com materiais manipuláveis e lúdicos para contribuir na aprendizagem da adição e subtração, como os jogos.

Referências

ALMEIDA, A. M. B.; ALMEIDA, L. S. Aprendizagem da matemática: Proposta de avaliação de dificuldades específicas na adição e subtracção no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Revista Análise Psicológica, Lisboa, p. 301-319, 1998.

ALMEIDA; S. A.; TREVISAN, A. C. R. A Discalculia no ensino de Matemática: refletindo sobre a percepção de profissionais da educação básica do município de Sinop em relação a esse transtorno e sobre aspectos de sua formação. Revista Eventos Pedagógicos, Sinop, v. 8, n. 1 (21. ed.), p. 552-573. jan./jul. 2017.

AVILA, L. A. B. Avaliação e intervenções psicopedagógicas em crianças com indícios de Discalculia. 2017. 281 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

AVILA; L. A. B.; LARA, I. C. M. Discalculia: um Mapeamento de Artigos Brasileiro. Revista Abakós, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, 2017.

BERNARDI, J. Alunos com discalculia: o resgate da auto-estima e da auto-imagem através do lúdico. 2006. 209 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, PUC – Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

BERNARDI, J.; STOBÄUSS, C. D. Discalculia: conhecer para incluir. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 24, n. 39, p. 47-60, jan./abr. 2011.

CIASCA, S. M. Distúrbios de aprendizagem: Uma questão de nomenclatura. Revista Simpro, São Paulo, p. 4-8, 2004.

CORDEIRO, A. M.; OLIVEIRA, G. M.; RENTERIA, J. M.; GUIMARÃES, C. A. A Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 428-31, 2007.

CORSO, L. V. Dificuldades na Leitura e na Matemática: um estudo dos processos cognitivos em alunos da 3ª a 6º série do Ensino Fundamental. 2008. 218 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

CORSO, L. V.; DORNELES, B. V. Senso numérico e Dificuldades de Aprendizagens na Matemática. Rev. Psicopedagogia. Porto Alegre – RS. 2010. v. 27. n. 83. p. 298-309.

CORSO, L. V.; DORNELES, B. V. Perfil cognitivo dos alunos com dificuldades de aprendizagem. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 17 n. 2. p. 185-198, maio-ago. 2015.

COSTA, A. C.; ROHDE, L. A.; DORNELES, B. V. Desenvolvimento de Fatos Numéricos em Estudantes com Transtornos de Aprendizagem. Revista Bolema: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro (SP), v. 26, n. 44, p. 1151-1169, dez. 2012.

CHAVES, M. Contribuições da matemática para alunos com dificuldades de aprendizagem. 2002. 130 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis, 2002.

DIAS, L. P. A construção do conhecimento em crianças com dificuldades em Matemática, utilizando o Jogo de Regras Mancala. 2009. 176 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas – Faculdade de Educação, Campinas, 2009.

LARA; I. C. M.; AVILA; L. A. B. Matemática e realidade: uma análise de possibilidades para minimizar dificuldades de aprendizagem. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 24, n. 2, p. 353-370, maio/ago. 2017

LEITE, L. S. A expressão da compreensão de alunos com dificuldades de aprendizagem em Matemática ao trabalhar com o material Cuisenaire. 2009. 194 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, 2009.

LÉO, C. C. C.; GONÇALVES, A. Discalculia: uma interface entre a Medicina e a Educação. Revista Brasileira de Medicina, Rio de Janeiro, v. 66. n. 8. p. 264-267, ago. 2019.

MEDEIROS, A. M. A. Análise dos processos subjetivos de aprendizagem Matemática escolar de crianças consideradas em situação de dificuldade. 2018. 256 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, 2018.

PIMENTEL, L. S. Possíveis indícios de discalculia em Anos Iniciais: uma análise por meio de um Teste piloto de Matemática. 2015. 162 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2015.

RESENDE, G.; MESQUITA, M. G. B. F. Principais dificuldades percebidas no processo ensino-aprendizagem de matemática em escolas do município de Divinópolis, MG. Revista Educação Matemática, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 199-222, 2013.

RIBEIRO, F. S. O efeito do treino musical sobre a capacidade da memória operacional e da cognição numérica de crianças com discalculia do desenvolvimento. 2013. 142 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências – Bauru, 2013.

SANTOS, F. H. et al. Cognição Numérica: Contribuições à Pesquisa Clínica. In: PRADO, P. S. T. do, CARMO, J. dos S. (Org.). Diálogos sobre ensino-aprendizagem da matemática. Abordagens pedagógica e neuropsicológica. São Paulo: Cultura Acadêmica. 2016. p.63-91.

SANTOS, F. H. Discalculia do Desenvolvimento. São Paulo: Person Clinical Brasil. 2017. 244 p.

SELVA, A. C. V. Gráfico de barras e materiais manipulativos: analisando dificuldades e contribuições de diferentes representações no desenvolvimento da conceitualização Matemática em crianças de seis a oito anos. 2003. 225 f. Tese (Doutorado em Psicologia Cognitiva) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

THIELE, A. L. P. Discalculia e formação continuada de professores: suas implicações no ensino e aprendizagem de Matemática. 2017. 155 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Pontífica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2017.

ZACARIAS, S. M. Z. A Matemática e o fracasso escolar: medo, mito ou dificuldade. 2008. 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Oeste Paulista – UNOESTE: Presidente Prudente – SP, 2008.

Downloads

Publicado

12/08/2022

Como Citar

Campos, D., Bazan Blanco, M., & Coelho Neto, J. (2022). Um mapeamento sobre o ensino de matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Inova Ciência & Tecnologia / Innovative Science & Technology Journal, 8, e20221137. https://doi.org/10.46921/rict2022-1137

Edição

Seção

Ciências Humanas - Educação