O BLOG COMO FERRAMENTA PARA DESENVOLVER A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DO APRENDIZ DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

Sheilla Andrade de Souza, Rafael Lucas Silva Mendes, Rebeca Oliveira Sacchi

Resumo


O presente artigo almeja apresentar os resultados de um projeto de pesquisa desenvolvido com os alunos do IFTM-Campus Paracatu que propôs investigar se o uso pedagógico do blog interfere na motivação e na autonomia do aprendiz de Língua Inglesa. No primeiro momento, são apresentadas definições sobre o termo autonomia, de acordo com diferentes teóricos. A seguir, são expostas discussões relacionadas ao papel do professor e do aluno nesse processo; na sequência, também são abordadas questões referentes à motivação intrínseca e à extrínseca do aprendiz, diante da situação de aprendizagem. Ao final, os dados coletados são disponibilizados e analisados. Com base nos resultados, percebe-se que desenvolver a autonomia do aprendiz de Língua Estrangeira é uma tarefa complexa, que exige esforço e dedicação por parte de aprendizes e professores. Nesse processo, os aprendizes precisam se responsabilizar pela própria aprendizagem e buscar caminhos que lhes auxiliem. Os dados revelaram ainda que o uso pedagógico do blog constitui uma ferramenta favorável para o ensino de Língua Inglesa e proporciona maior motivação e interesse por parte do aprendiz quanto às práticas de produção escrita em Língua Inglesa.

 


Palavras-chave


Ensino e aprendizagem da língua inglesa; Escola pública; Práticas pedagógicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de língua. 6. ed. Campinas, SP: Pontes, 2010.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Linguística aplicada, ensino de línguas e comunicação. 3. ed. Campinas, SP: Pontes/Artelingua, 2009.

BENSON, P. The history of autonomy in language learning. In: BENSON, P. Teaching and researching autonomy in Language Learning. London: Longman, 2001. p. 7-21.

BLACKSTON, B., SPIRI, J.; NAGANUMA, N. Blogs in English language teaching and learning: pedagogical uses and student responses. Reflections on English Language Teaching (RELT), v. 6, n. 2, p. 1-19. 2009. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2012.

BLOOD, R. Weblogs: a history and perspective. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2012.

BREEN, M. P.; MANN, S. J. Shooting arrows at the sun: perspectives on a pedagogy for autonomy. In: BENSON, P.; VOLLER, P. Autonomy & independence in language learning. London and New York: Longman, 1997. p.133-149.

BROWN, H.D. Principles of language learning and teaching. 4th. ed. Longman, 2000.

CAMPBELL, A. P. 2003. Weblogs for use with ESL Classes. The Internet TESL Journal, Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2012.

DICKINSON, L. Basic issues in self-instruction. In: DICKINSON, L. Self-instruction in language learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1991. p. 4-42.

DICKINSON, L. Learner training for language learning. Authentic Language Learning Resources. 1992.

ELLIS, Rod. Study of Second Language Acquisition. Oxford: Oxford University Press, 1997.

ELLIS, Rod. Understanding Second Language Acquisition. Oxford: Oxford University Press, 1985.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970..

GARDNER, R. C.; LAMBERT, W. C. Attitudes and motivation in second language learning. Rowley, MA: Newbury House, 1972.

GARDNER, R. C.; LAMBERT, W. C. Integrative Motivation: Past, Present and Future. Disponível em: http://publish. uwo.ca/~gardner/docs/GardnerPublicLecture1.pdf. Acesso em: 7 jun. 2012. 2001. p. 1-27.

HOLEC, Henri. Autonomy in foreign language learning. Oxford: Pergamon, 1981.

HOLEC, H. (1988). Autonomy and self-directed learning: present fields of application. Strasbourg: Council of Europe. 1988.

LITTLE, D. Issues and problems in the implementation of autonomy. In: LITTLE, D. Autonomy: definitions, issues and problems. Dublin: Authentik, 1999. p. 44-57.

LITTLE, D. Learner Autonomy 1: definitions, issues and problems. Dublin: Authentik, 1991.

LITTLEWOOD, W. “Autonomy”: an anatomy and a framework. System, v. 24, n. 4, 1996. p. 427-435.

ORTEGA, Lourdes. Understanding Second Language Acquisition. Hodder Education, 2009.

PAIVA, V. L. M. O. Autonomy in second language acquisition. SHARE: An Electronic Magazine by Omar Villarreal and Marina Kirac, n. 146, ano 6, May 6th 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2012.

PAIVA, V. L. M. O. Identity, motivation and autonomy in second language acquisition from the perspective of complex adaptive systems. In: MURRAY, G., GAO, X.; LAMB, T. (Ed.). Identity, motivation and autonomy in language learning. Bristol: Multilingual Matters, 2011. p. 57-72.

RYAN, R.; DECI, E. L. Intrinsic and Extrinsic motivations. Classic definitions and new directions. Contemporay Educacional Psychology, n. 25, 2000. p. 54-57. Disponível em: . Acesso em: 7 jun 2012.

SCHARLE, A.; SZABÓ, A. Responsability and autonomy. In: SCHARLE, A.; SZABÓ, A. Learner autonomy: a guide to developing learner responsibility. Cambridge: Cambridge University Press, 2000. p. 3-10.

SCHMIDT, R.; WATANABE, Y. Motivation, strategy use, and pedagogical preferences in foreign language learning. In: DÖRNYEI, Z.; SCHMIDT, R. (Eds.). Motivation and second language acquisition, n. 23, p. 313-359. 2001. Disponível em:

SILVA, W. M. Autonomia no aprendizado de LE: é preciso um novo tipo de professor? In: GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. (Orgs.). Educação de professores de línguas – os desafios do formador. Campinas: Pontes, 2008. p. 293-301.

WARSCHAUER, M. A developmental perspective on technology in language education. TESOL Quarterly, v. 36, n. 3, Autumn 2002. p. 453-475. Disponível em . Acesso em: 7 jun. 2012.

WENDEN, A. Leaner Strategies for Learner Autonomy. Great Britain: Prentice Hall. 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Avaliação Qualis-Capes confirma a importância da revista científica do IFTM

A Revista Inova Ciência & Tecnologia / Innovative Science & Technology Journal (RICT/ISTJ), publicada pela EDITORA IFTM, é bem avaliada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Confira a classificação por áreas no Qualis-CAPES 2017:

ENSINOB3
EDUCAÇÃOB4
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMOB4
CIÊNCIAS AGRÁRIAS IB5
ENGENHARIAS IB5
CIÊNCIA DOS ALIMENTOSC

O Qualis 2017 é um conjunto de procedimentos utilizados pela CAPES para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação.

Atualmente, a Revista Inova Ciência & Tecnologia possui 6 indexadores:

Indexadores

Abbreviated key title         Rev. Inova Ciênc. Tecnol. (Online)