CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL (CDI) NO ENSINO DA FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: um estudo

Antonio Alberto de Sousa Dias

Resumo


Este artigo se propõe a analisar a inserção do Cálculo Diferencial e Integral (CDI) no Ensino Médio, auxiliada pela utilização do programa computacional Geogebra. Com isso, os conceitos de limite, que são apresentados de forma simples, predominantemente visual e relacionados a definições e problemas, ficam menos abstratos e adquirem outro sentido, tornando as aulas mais leves e interessantes. Tal apresentação ocorrerá por meio de gráficos de funções e análise de seu comportamento para posterior aplicação na resolução de problemas de Matemática e Física. Assim, o uso de ferramentas e tecnologias apropriadas, oportuniza aos estudantes ampliarem sua percepção sobre conceitos matemáticos e físicos e, ao mesmo tempo, favorece a aquisição dos mesmos. Desse modo, como a resolução de problemas passa a ser mais mecânica com o emprego do cálculo, o professor pode enfatizar uma abordagem mais conceitual da Física, em particular, facilitando a compreensão de seus fenômenos, otimizando o ensino e a aprendizagem.


Palavras-chave


Software Geogebra; Cálculo Diferencial e Integral; Noção de Limite; Ensino de Matemática e Física.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, G. Limites e Derivadas no Ensino Médio? Revista do Professor de Matemática n. 60.

ÁVILA, G. Por que não ensinamos Cálculo? Revista do Professor de Matemática – RPM - 1991, p.1

AZEVEDO, M. M. Uma introdução do cálculo no ensino da física – Profmat – Universidade Federal do Tocantins – Palmas – 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9394/96. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário oficial da União, 23 de dezembro de 1996.

DIAS, Antônio Alberto de Sousa.

FRESCKI, F.B. – PIGATTO, P. Dificuldades na aprendizagem de cálculo diferencial e integral na educação tecnológica: proposta de um curso de nivelamento - I Simpósio Nacional de Ensino de Ciências e Tecnologia – UTFPR – 2009.

IEZZI, G.; DOLCE, O.; TEIXEIRA, J.C.; MACHADO, N. J.; GOULART, M. C. C., SILVEIRA, L.R.; MACHADO, A. Santos - Matemática – 2 grau – Atual Editora Ltda – São Paulo – Brasil – 1980.

LEWIS, K. Cálculo e Álgebra Linear. LTC – 1972.

LOPES, A. Algumas reflexões sobre a questão do alto índice de reprovação nos cursos de Cálculo da UFRGS. Sociedade Brasileira de Matemática. Rio de Janeiro, n.26/27, p.123-146, jun./dez. 1999. (Matemática Universitária)

PENTEADO, M.G. Redes de trabalho: expansão das possibilidades da informática na educação matemática da escola básica. In: BICUDO, M.A.V. ; BORBA, M.C. (Org.) Educação Matemática: pesquisa em movimento}. São Paulo: Cortez, p. 283-295, 2004.

RESNICK, R.; HALLIDAY, D.; WALKER, J. / LTC . Fundamentos de Física I - 2005 - 7ª edição.

SANTOS, D. A. T. A Inclusão do Cálculo Diferencial e Integral no Currículo do Ensino Médio - 2006.

SANTAROSA, M. C. P.; MOREIRA, M. A. O Cálculo nas aulas de Física na UFRGS: Um Estudo Exploratório – Rio Grande do sul - 2011.

SANTAROSA, M. C. P. - Investigações em Ensino de Ciências – v.18(1), pp. 215-235, 2013.

SANTAROSA, M. C. P. Os lugares da Matemática na Física e suas dificuldades contextuais: Implicações para um sistema de ensino integrado. (Relations between Mathematics and Physics and their contextual difficulties: implications for integrated education system) [maria.cecilia@ufrgs.br] Pós-Graduação em Ensino de Física, Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Porto Alegre, Brasil. Volume 18 número 1.

SILVA, G. H. G. Que possibilidades pedagógicas os professores consideram ao se trabalhar com o software Geogebra no ensino da Matemática em uma abordagem investigativa? - Rio Claro – SP.

SPINA. C. O. C. Modelagem Matemática no processo de ensino aprendizagem do cálculo diferencial e integral para o ensino médio. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 117p., 2002.

STEWART, J. Cálculo. Vol 1 – Ed Saraiva - 7a edição – 2013.

YAMAMOTO, Kazuhito; FUKE, Luiz Felipe. Física para o Ensino Médio. Vol 1- Ed. Saraiva - 3a edição - 2013 - São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Avaliação Qualis-Capes confirma a importância da revista científica do IFTM

A Revista Inova Ciência & Tecnologia / Innovative Science & Technology Journal (RICT/ISTJ), publicada pela EDITORA IFTM, é bem avaliada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Confira a classificação por áreas no Qualis-CAPES 2017:

ENSINOB3
EDUCAÇÃOB4
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMOB4
CIÊNCIAS AGRÁRIAS IB5
ENGENHARIAS I (Ciência da Computação)B5
CIÊNCIA DOS ALIMENTOSC

O Qualis 2017 é um conjunto de procedimentos utilizados pela CAPES para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação.

Atualmente, a Revista Inova Ciência & Tecnologia possui 6 indexadores:

Indexadores

Abbreviated key title         Rev. Inova Ciênc. Tecnol. (Online)