A EDUCAÇÃO AMBIENTAL POR ALUNOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE MINAS GERAIS, BRASIL

Letícia do Carmo Dutra Dias, Breno Moreira

Resumo


Neste artigo são apresentados os resultados de uma pesquisa que teve como objeto avaliar e auxiliar a inserção da Educação Ambiental (EA) em escolas públicas da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais, especificamente no muni­cípio de Juiz de Fora. O trabalho foi realizado no mês de junho de 2012 e teve como instrumento de coleta de dados um questionário formulado previamente em aulas do curso de licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Juiz de Fora e um texto produzido pelos alunos da rede estadual, no qual eles deveriam criar suas próprias Agendas 21 locais, falando sobre os principais problemas ambientais enfrentados por eles e seus familiares em sua cidade, e especifi­camente em seus bairros. Através deste estudo foi possível perceber que este é um assunto que desperta grande interes­se nos alunos, principalmente quando é trabalhado de forma inserida em suas realidades. Porém, a educação ambiental precisa ser melhor trabalhada nesta e em outras escolas, uma vez que o tema normalmente fica restrito a campanhas temporárias e não é trabalhado de forma interdisciplinar e continuada durante o ano letivo, o que por vezes faz o aluno pensar na EA momentânea, mas não o faz pensar acerca do tema de forma contínua em sua vida.


Palavras-chave


Agenda 21. Biologia. Ensino Médio. Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, M. T. A Dimensão Ambiental na Cultura Educacional Brasileira. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 88, n. 218, p. 107-121. 2007.

BARBOSA, G. S. O Desafio do Desenvolvimento Sustentável. Revista Visões. 4ª Edição, nº 4, Volume 1. 2008.

BIZERRIL, M. X. A.; FARIA, D. S.. Percepção de professo¬res sobre a educação ambiental no ensino fundamen¬tal. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 82, n. 200/201/202, p. 57-69, jan./dez. 2001.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999.

BRUNDTLAND, G. H. (Org.) Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: FGV, 1987.

CANEPA, C. Cidades Sustentáveis: o município como lócus da sustentabilidade. São Paulo: Editora RCS. 2007.

CARNEIRO, S. M. M. A dimensão ambiental da educação escolar de 1ª - 4ª série do ensino fundamental na rede es¬colar pública da cidade de Paranaguá. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) Universidade Federal do Paraná, 1999.

DIB-FERREIRA, D. R. Dicas para práticas em Educação Ambiental. 2011. Acesso em: novembro de 2013. Disponível em: http://diariodoprofessor.com.

DOBROVOLSKI, R. Para além do vestibular: a edu¬cação ambiental no Ensino Médio. In: Eunice Aita Isaia Kindel; Fabiano Weber da Silva; Yanina Micaela Sammarco. (Org.). Educação ambiental: vários olhares e várias práticas. 1ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004, v. , p. 97-104.

SILVA, F. W.; SAMMARCO, Y. M. Educação Ambiental. Vários olhares e várias práticas. Porto Alegre: Editora Mediação. Cap. 12, p. 97-103. 2004.

KAWASAKI, C. S.; CARVALHO, L. M. Tendências da Pesquisa em Educação Ambiental. Educação em Revista. Belo Horizonte. v. 25 n. 03 p. 143-157. 2009.

KINDEL, E. A. I.; SILVA, F. W. ; SAMMARCO, Y. M.. Educação Ambiental: vários olhares e várias práticas. Porto Alegre, Mediação. 107 p. 2004.

LOUREIRO, C. F. B. O movimento ambientalista e o pensamento crítico: uma abordagem política. Rio de Janeiro: Quartet, 2003.

MININNI, N. M. Elementos para a introdução da di¬mensão ambiental na educação escolar – 1º grau. In: IBAMA. Amazônia: uma proposta interdisciplinar de educação ambiental – Documentos Metodológicos, Brasília, p. 13-82. 1994.

OSÓRIO, M. R. V. Professores e Educação Ambiental: implicações para o currículo. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 92, n. 231, p. 399-416, maio/ago. 2011.

ROCHA, G. C.; LATUF, M. O. ; CARMO, L. F. Z. Mapeamento de riscos ambientais à escorregamentos na área urbana de Juiz de Fora, MG. Geografia, v. 12, n. 1. Jan/Jun. 2003.

RODRIGUES, A. C.; PINTO, V. P. S. Conflitos Ambientais e Relações CTSA em Juiz de Fora, MG: Saberes dos que deles participam. In: Anais VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências, Florianópolis. 2000. Acessado em: Junho de 2013. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/74.pdf

TRAJBER, R.; MENDONÇA, P. R. Educação na diversida¬de: o que fazem as escolas que dizem que fazem edu¬cação ambiental. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. 2007.

VEIGA, J. E. Cidades Imaginárias – o Brasil é menos urba¬no do que se calcula. Campinas: Editora da Unicamp. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Avaliação Qualis-Capes confirma a importância da revista científica do IFTM

A Revista Inova Ciência & Tecnologia / Innovative Science & Technology Journal (RICT/ISTJ), publicada pela EDITORA IFTM, é bem avaliada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Confira a classificação por áreas no Qualis-CAPES 2017:

ENSINOB3
EDUCAÇÃOB4
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMOB4
CIÊNCIAS AGRÁRIAS IB5
ENGENHARIAS IB5
CIÊNCIA DOS ALIMENTOSC

O Qualis 2017 é um conjunto de procedimentos utilizados pela CAPES para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação.

Atualmente, a Revista Inova Ciência & Tecnologia possui 6 indexadores:

Indexadores

Abbreviated key title         Rev. Inova Ciênc. Tecnol. (Online)